Fundo Kayapó

© Priscila Steffen

 

O Fundo Kayapó, criado em 2011, foi o primeiro mecanismo financeiro de longo prazo a apoiar povos indígenas no Brasil. A finalidade do fundo é dar suporte, mediante doações, a projetos de organizações indígenas que atuem nas Terras Indígenas Kayapó, Menkragnoti, Bau, Capoto/Jarina, Badjonkôre e Las Casas, situadas no sul do Pará e norte do Mato Grosso, que tenham como foco a proteção da biodiversidade e o monitoramento territorial, a geração de renda através de cadeias produtivas sustentáveis e o fortalecimento institucional das associações indígenas.

A iniciativa criada pela Conservação Internacional em parceria com o Fundo Amazônia/BNDES, tem o Funbio (Fundo Brasileiro para a Biodiversidade)​ como o gestor do fundo.

Clique aqui e conheça os projetos apoiados pelo Fundo Kayapó

As Terras Indígenas Kayapó (Badjonkôre, Baú, Capoto/Jarina, Kayapó e Menkragnoti), localizadas no sul do Pará e norte do Mato Grosso, representam um dos maiores trechos contínuos de floresta tropical protegida do mundo. Com 10,6 milhões de hectares de florestas primárias e de cerrados em excelente estado de conservação, essas Terras Indígenas (TIs) abrigam cerca de 7 mil indígenas da etnia kayapó - ou mebêngokrê, como se auto-denominam. Este povo indígena é reconhecido por sua cultura e luta pelo reconhecimento de seus direitos. Esse imenso bloco de terras protegidas encontra-se no meio do "Arco do Desmatamento," região amazônica caracterizada pelos mais elevados índices de desmatamento no Brasil e por violentos conflitos de terra.

Nosso objetivo

Apoiar, mediante doações, projetos de organizações indígenas que atuem em território Kayapó e que tenham como foco a proteção da biodiversidade e o monitoramento territorial, a geração de renda através de cadeias produtivas sustentáveis e o fortalecimento institucional das associações indígenas.

 

© Priscila Steffen

Os números

  • Cerca de 10,6 milhões de hectares de florestas contemplados
  • 7 mil indígenas da etnia kayapó recebem as iniciativas do fundo
  • Último aporte R$3 milhões (2017-2018) para os Institutos Kabu, Instituto Raoni e para a Associação Floresta Protegida
  • R$ 5,2 milhões de recursos destinados às instituições indígenas de 2011 até hoje