Conferência do Clima da Onu - COP 24 - 2018

Katowice, Polônia, 2-14 de Dezembro de 2018

© Shutterstock

 

Representantes de 200 países estão reunidos para promover a implementação do Acordo de Paris em um momento de grande urgência.

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) divulgado recentemente emitiu um alerta duro sobre o custo para o planeta, caso os países do mundo não tomem uma atitude para diminuir os efeitos das mudanças climáticas. Neste ano, na Califórnia, a Cúpula Global de Ação Climática (GCAS, sigla em inglês) concebida para empresas, governos subnacionais e líderes locais se uniu com discursos e propostas fortes para fortalecer uma maior ambição climática e exigir maior ação dos governos nacionais.

Em resposta, as partes interessadas devem usar esta sessão de negociação para chegar a acordo sobre diretrizes robustas de implementação e sinalizar a intenção de aumentar seus compromissos climáticos nacionais até 2020. Saiba mais sobre a COP 24​ »

 

Abordagem da Conservação Internacional

A solução para as mudanças climáticas está na nossa natureza.

As soluções naturais para os efeitos das mudanças climáticas são essenciais para alcançar as metas do Acordo de Paris. Proteger, manejar e restaurar sustentavelmente florestas e ecossistemas naturais são partes indispensáveis da solução para a mudança climática, fornecendo pelo menos 30% da diminuição necessária para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus Celsius. As soluções naturais para os efeitos das mudanças climáticas devem fazer parte da nossa resposta para as alterações no clima, junto com a aceleração de um caminho de descarbonização.

A Conservação Internacional acredita num mundo onde soluções naturais de clima são implementadas em seu potencial máximo para mitigar os efeitos das mudanças climáticas e são totalmente implantadas em lugares onde os ecossistemas podem ajudar populações vulneráveis a se adaptarem aos efeitos já presentes e se previnirem do futuro das alterações climáticas.

Como habitantes de terras que contêm quase um quarto do carbono terrestre do mundo, povos indígenas e comunidades tradicionais estão na linha de frente das mudanças climáticas. Para reconhecer a importância dessas partes interessadas, a Conservação Internacional também trabalha para conectar os povos indígenas e comunidades tradicionais ao financiamento, treinamento e tecnologia, ajudando-os a garantir seus direitos à terra, de modo que a proteção da natureza também proteja seus meios de subsistência.

 

Yasuni National Park, Ecuador
© Lucas Bustamante

As soluções naturais para o clima incluem atividades que reduzem as emissões de desmatamento e degradação florestal (REDD +), conservam e recuperam ecossistemas marinhos, aumentam os estoques de carbono “azul” ao longo das costas e aproveitam o poder dos ecossistemas para se adaptar às mudanças climáticas (adaptação baseada em ecossistemas). Essas ações podem, além disso, proporcionar benefícios socioeconômicos além da mitigação e adaptação desses povos, e são essenciais para acelerar nossa resposta às mudanças climáticas.

 

Nossas Diretrizes de Ação na COP 24

Call Out Blue Box

Configuration

EditBox Position:rightRight
Remove this module?

Rows

?

Call to Action

EditBox Heading:
EditText Paragraph 1:

Confira o Position Paper da Conservação Internacional COP 24

EditText Paragraph 2:

Gerente de Comunicação

Priscila Steffen
psteffen@conservation.org | (21) 2173-6389

Conheça outras notícias da Conservação Internacional.

EditLink Caption: [Optional]
EditLink URL: [Optional]
EditLink Type:link--caret-right--newlineLink with Arrow
? ?
Add row?

 

A Conservação Internacional trabalha para fornecer aos tomadores de decisão com ciência e evidências acessíveis para que tomem decisões relevantes para restaurar e proteger ecossistemas críticos como parte da ação climática global.

Na COP 24, a Conservação Internacional se esforça para promover o papel da natureza na implementação do Acordo de Paris:

Aproveitar o papel da natureza para fornecer resultados para mitigação e adaptação nacional e global

  • A orientação deve encorajar os países a incorporar esforços de mitigação e adaptação em todos os setores, incluindo soluções naturais de clima (por exemplo, REDD +, agricultura sustentável resiliente e de baixa emissão, adaptação baseada em ecossistemas e gestão costeira de carbono).

Aumentar a eficiência para a entrega de metas climáticas e finanças

  • Incentivar a transferência de reduções de emissões de alta qualidade geradas em todos os setores, incluindo o setor de terras, pode direcionar os fluxos de financiamento necessários para ações climáticas que abordem tanto as fontes quanto os sumidouros, particularmente nos países em desenvolvimento.

Garantindo a participação inclusiva

  • Garantir a participação plena e inclusiva de todos os atores relevantes, como pequenos agricultores, mulheres, povos indígenas e comunidades tradicionais, cuja inclusão na ação climática é fundamental para alcançar as metas globais sobre mudança climática no âmbito do Acordo de Paris.

Considerando questões críticas de agricultura e oceanos

  • Priorizar a inclusão de atores-chave, tais como pequenos agricultores em paisagens sustentáveis diversificadas, ao implementar ações para proteger a cobertura florestal e garantir a segurança alimentar.
  • Estabelecer processos para identificar lacunas na orientação científica e política sobre o aprimoramento dos ecossistemas oceânicos e costeiros para atingir as metas climáticas globais.

 

No Brasil, os esforços para contribuir com soluções baseadas na natureza, estão na maior restauração florestal já realizada na Amazônia. A Conservação Internacional faz parte da iniciativa Amazonia Live. Serão 73 milhões de árvores e cerca de 30 mil hectares restaurados, na maior floresta tropical do mundo. Esse e outros esforços contribuem para diminuirem os efeitos das mudanças climáticas. Parceria: Conservação Internacional, Rock in Rio/Amazonia Live, Funbio, Instituto Socioambiental - ISA, Banco Mundial, Global Environment Facility.