Proteger a natureza todos dependemos para comida, água fresca e meios de subsistência

Capacitação no Complexo de Florestas do Rio Gregório visa dar escala à Restauração no Acre

julho 6, 2021

ci_42678794_Large

Foto: Ilustrativa/Starbucks

O projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia (Amazon Sustainable Landscapes, ou ASL Brasil em inglês) apoia a Fundação de Tecnologia do Estado do Acre (Funtac-AC) na capacitação técnica de 40 multiplicadores na produção em viveiros de mudas florestais no Complexo de Florestas do Rio Gregório. Está previsto para o segundo semestre que os comunitários aprendam diversas fases de produção em viveiros, incluindo o calendário de coletas das diversas espécies de sementes, a técnica de armazenamento, estudos de viabilidade das sementes e a tecnologia que pode ser aplicada na atuação do viveiro do Rio Gregório, que será utilizado como ponto de apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Acre (SEMA-AC) nos programas de reflorestamento na região. Além de contribuir com a aquisição de insumos para a reforma do viveiro do Rio Gregório, o ASL Brasil também vai reestruturar dois laboratórios da Funtac para ajudar na pesquisa de um inventário da sociobiodiversidade pela fundação.  

Para Victor Carlos, um dos coordenadores da Funtac para o ASL Brasil, essa é uma oportunidade de mais uma fonte de renda para os comunitários. “As comunidades veem na produção de mudas uma esperança de melhorar de vida e ficam na expectativa de ter algo mais. Eles acreditam que a preservação é uma alternativa e que a floresta é mais vantajosa em pé. Querendo ou não isso nos motiva bastante, faz com que  a gente tente levar sempre essa sensação para a comunidade”, comentou.   

 

Da semente à renda 

O caminho que liga a produção de mudas à melhoria na qualidade de vida da comunidade aos poucos está sendo traçado. A SEMA-AC espera que mudas sejam enviadas à região em outubro por demanda, uma vez que 20 famílias no local optaram por fazer parte do Programa de Regularização Ambiental (PRA) para recuperar áreas degradadas de seus imóveis rurais. Por mais que elas sejam atualmente produzidas no viveiro da capital, Rio Branco, as mudas precisam de uma área de suporte com um sistema de irrigação assim que aguentarem as 12 horas do percurso de estrada que sai da capital para o complexo de florestas. O viveiro do Rio Gregório, administrado pela SEMA-AC, será o ponto estratégico para isso. É por isso que SEMA e Funtac avançam em ações para reestruturar o local e transformar o viveiro em uma fonte de renda dos comunitários para futuras demandas dos programas ambientais.  

Contatos para imprensa

Priscila Steffen – Gerente Sênior de Comunicação
psteffen@conservation.org
Tel: +55-21-2173-6389 / +55-21-99032-5690