Estudo revela que áreas protegidas não são garantia de conservação

junho 2, 2019

???

Estudo da Conservation International revela reversões legais generalizadas para áreas protegidas globalmente

Iniciativas para reduzir as proteções da Amazônia, de Bears Ears e outras áreas podem inviabilizar as metas de conservação globais



Arlington, Virgínia, EUA (31 de maio de 2019) – A Conservation International divulgou hoje o estudo mais abrangente? até esta data sobre reversões de proteções ambientais, afetando parques nacionais e outras áreas protegidas globalmente. O estudo, que analisou 125 anos de reversões de áreas protegidas e foi publicado hoje na revista Science, encontrou mais de 3700 reversões promulgadas em 73 países, com 78% dessas reversões ocorrendo desde 2000. O artigo aponta também que, globalmente, 62% das reversões decretadas estão associadas com a extração de recursos e desenvolvimento em escala industrial, indicando que essas reversões podem comprometer os objetivos de conservação da biodiversidade.

 

O estudo chega na esteira de um relatório que revelou que quase um milhão de espécies estão em risco de extinção.

Até hoje, os governos designaram quase 15% das terras globais e 7,3% dos oceanos como áreas protegidas para conseguir a conservação da natureza no longo prazo. Apesar dos apelos para acelerar a designação de áreas protegidas para proteger a biodiversidade e reduzir a mudança climática, alguns governos já iniciaram reversões de proteções legais em grande escala. Essas reversões legais, um fenômeno conhecido como recategorização, redução e extinção de áreas protegidas (Protected Area Downgrading, Downsizing and Degazettement, PADDD), podem acelerar o desmatamento e a fragmentação florestal e as emissões de carbono.

Os autores do estudo documentaram as reversões propostas e promulgadas em duas regiões que estão sofrendo com a rápida mudança da política ambiental: os Estados Unidos e os nove países da Amazônia. O estudo mostra que os Estados Unidos e o Brasil, historicamente líderes em conservação, promulgaram 269 e 86 reversões de áreas protegidas, respectivamente.

O artigo mostra que é necessária uma política estratégica em resposta às reversões para sustentar áreas protegidas efetivas.


Principais resultados dos EUA

  • Em 2017,o presidente Trump promulgou as duas maiores reduções de tamanho da história dos EUA, reduzindo os monumentos nacionais de Bears Ears e Grand-Staircase Escalante em 85% (466 hectares) e 51% (349 hectares), respectivamente.
  • 90% das propostas de reversão de áreas protegidas nos EUA foram feitas desde 2000, 99% das quais estão associadas ao desenvolvimento em escala industrial.
  • Em 2017, depois de 114 propostas malsucedidas ao longo de 30 anos, o Congresso dos EUA aprovou a exploração de gás e petróleo no Arctic National Wildlife Refuge.
  • A administração Trump propôs a redução de tamanho e recategorização de outros nove monumentos nacionais.

 

 

Principais resultados da Amazônia

 

  • Os governos de sete países da Amazônia promulgaram 440 reversões de 245 áreas protegidas pelo estado (322 recategorizações, 86 reduções de tamanho e 32 extinções de proteção legal) entre 1961 e 2017.
  • No Brasil, 86 reversões foram promulgadas e 60 foram propostas entre 1971 e 2017. Juntas, elas afetam cerca de 30 milhões de hectares de áreas protegidas.
  • As reversões na Amazônia são extensas, com 75% de ecorregiões e 21% de áreas de biodiversidade importantes sendo atual ou potencialmente afetadas.

O estudo demonstra que a criação de áreas protegidas não garante proteções futuras. Reversões recentes efetivadas por governos de todo o mundo indicam crescente incerteza para o futuro das áreas protegidas. O estudo lembra que os números globais apresentados são estimativas conservadoras de reversões, já que os documentos legais continuam inacessíveis em muitos países.


"Estamos enfrentando duas crises ambientais globais: a perda da biodiversidade e a mudança climática. Para resolver ambas, os governos criaram áreas protegidas com a intenção de conservar a natureza perpetuamente. Mas nossa pesquisa mostra que as áreas protegidas não são necessariamente permanentes e podem ser revertidas. As proteções perdidas podem acelerar o desmatamento florestal e as emissões de carbono, colocando nosso clima e nossa biodiversidade global em um risco ainda maior", disse Rachel Golden Kroner, cientista social da Conservation International, autora principal do estudo e doutoranda na George Mason University.

 

"Por outro lado, nosso trabalho também mostra que, quando as proteções perdidas são restauradas, a natureza pode se recuperar", disse Kroner.

 

"A floresta tropical da Amazônia é uma das ferramentas mais importantes do mundo na luta contra a mudança climática. O estudo demonstra que a legislação para conservação das nossas florestas tropicais nem sempre se traduz em proteção duradoura. Quando discutimos o futuro da Amazônia no Brasil e na região, diante da escolha entre desenvolvimento ou proteção, precisamos entender as implicações ecológicas e financeiras da redução das áreas protegidas e da abertura dessas áreas para o desenvolvimento", disse Bruno Coutinho, PhD, diretor de gestão do conhecimento da Conservation International Brasil e coautor do estudo.

 

Sobre a Conservation International

A Conservation International usa ciência, política e parcerias para proteger a natureza da qual as pessoas dependem para obter alimentos, água doce e meios de subsistência. Fundada em 1987, a Conservation International trabalha em mais de 30 países em seis continentes para garantir um planeta saudável e próspero, que sustenta a todos. Saiba mais sobre a revolucionária campanha "A Natureza Está Falando da Conservation International e sua série de projetos de realidade virtual: "My Africa", "Amazônia Adentro". 

 

Sobre a George Mason University

A George Mason University é a maior universidade de pesquisa pública da Virgínia. Localizada perto de Washington, D.C., a Mason tem mais de 37.000 alunos matriculados de 130 países e de todos os 50 estados dos Estados Unidos. A Mason cresceu rapidamente nos últimos cinquenta anos e é reconhecida por sua inovação e empreendedorismo, notável diversidade e compromisso com acessibilidade. O departamento interdisciplinar de Política e Ciência Ambiental da Mason, na College of Science, cobre os domínios das ciências naturais e sociais para fornecer experiências únicas e flexíveis de aprendizagem nos níveis de graduação e pós-graduação, usando unidades de pesquisa de ponta e diversas unidades de campo. Nossos graduandos e professores atuam na formulação e implementação de políticas e soluções de sustentabilidade em organizações governamentais, industriais e sem fins lucrativos. A Mason anunciou recentemente seu Institute for a Sustainable Earth para conectar os programas, a política e as iniciativas de pesquisa em sustentabilidade da Mason com outras comunidades, legisladores, empresas e organizações para que, juntos, possamos enfrentar os urgentes desafios de resiliência e sustentabilidade do mundo.?

Contatos para imprensa

Priscila Steffen – Gerente de Comunicação
psteffen@conservation.org
Tel: +55-21-2173-6389