Histórico
© Piotr Naskrecki
Conheça mais sobre nossas iniciativas já realizadas
​Ao longo de sua história a CI Brasil desenvolveu importantes projetos de conservação e promoção do bem-estar social nos principais biomas brasileiros. Veja abaixo uma lista das principais iniciativas da organiza-ção na Amazônia, no Cerrado, no Pantanal, na Mata Atlântica e nos ambientes marinhos brasileiros.

Entre nossas principais linhas de atuação sempre estiveram o apoio na criação e implementação de Unidades de Conservação, público ou privadas, e de corredores de biodiversidade e  no estabelecimento de redes de parcerias entre atores locais e nacionais que viabilizassem a implementação de políticas públicas voltadas para a conservação de ecossistemas e de seus serviços ambientais. Conheça abaixo alguns dos principais projetos que foram desenvolvidos pela CI-Brasil.

​Projeto Conectividade​
​O Projeto Conectividade reconectou áreas de Mata Atlântica,através do plantio de árvores, recuperando trechos degradados e criando um corredor florestal que favoreceu a sobrevivência de espécies ameaçadas de extinção. Além dos benefícios para biodiversidade, o projeto contribuiu para o equilíbrio do meio ambiente, garantindo serviços ambientais e qualidade de vida à população e gerando novos empregos. 

Esse projeto foi o resultado da parceria da CI-Brasil com o Citibank e sua implementação foi feita pela Associação Mico-Leão-Dourado (AMLD), em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade (ICMBio), Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal (LERF) - órgão ligado à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (USP) - e Jardim Botânico do Rio de Janeiro. O Citibank financiou o projeto através da criação de um “CDB Verde”, que tem parte de sua renda revertida para a iniciativa. 

A região escolhida para conectar uma área de mais de 26 mil hectares de remanescentes florestais de Mata Atlântica localiza-se no município de Casimiro de Abreu, Rio de Janeiro. O trabalho foi feito na Fazenda Dourada, propriedade adquirida pela AMLD para o restabelecimento da conectividade florestal entre a Reserva Biológica União e a Serra do Mar. A área focal desse projeto está integralmente inserida na bacia hidrográfica do rio São João, região onde vive o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia), primata ameaçado de extinção e endêmico, ou seja, encontrado somente nesta região da Mata Atlântica.  Originalmente distribuído ao longo de toda a região da Baixada Litorânea do estado do Rio de Janeiro, hoje o primata é encontrado somente em alguns pequenos e isolados fragmentos florestais na bacia do rio São João.

O Projeto Conectividade teve sua implementação em 5 anos. Mais informações sobre o Projeto Conectividade podem ser obtidas no site da Associação Mico-Leão-Dourado​.



 unidades de conservação marinhas em sp
A CI-Brasil apoiou o estabelecimento de uma Rede de Áreas Marinhas Protegidas (AMPs) ao longo da costa do estado de São Paulo, visando à proteção de parcelas representativas da biodiversidade marinha e à recuperação de estoques pesqueiros sobre-explorados. Em parceria com a Sociedade de Defesa do Litoral Brasileiro – SDLB, o projeto direcionou esforços para quatro unidades de conservação: a Estação Ecológica dos Tupinambás, a Estação Ecológica dos Tupiniquins, o Parque Estadual Marinho da Laje de Santos e a Área de Relevante Interesse Ecológico das Ilhas da Queimada Grande e Queimada Pequena, entre os anos de 2006 e 2007.

No final de 2008, a CI-Brasil apoiou a criação das Áreas de Proteção Ambiental Estaduais do Litoral Norte, Litoral Centro e Litoral Sul de São Paulo, que abrangem uma área aproximada de 1.200.000 hectares de ambientes marinhos, insulares e costeiros. A criação destas unidades representou um dos maiores avanços na conservação marinha do Brasil naquela década.
 


​Corredor Ecótonos do sul da amazônia
A CI-Brasil apoiou o Governo do Amazonas para a criação de nove Unidades de Conservação (UCs) estaduais do final de 2004 até junho de 2005, que somam cerca de 2,5 milhões de hectares, distribuídos entre os municípios de Manicoré e Apuí. Essas UCs foram criadas em uma região sob pressão do desmatamento, da ocupação desordenada e grilagem de terras. Estes são os principais vetores que, desde o norte do Estado do Mato Grosso, ameaçam o equilíbrio do ecossistema local.

O Corredor Ecótonos Sul-Amazônico é composto por 28 Ucs e entre as criadas com o apoio da CI-Brasil recentemente estão o Parque Estadual do Guariba, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Bararati, a Reserva Extrativista do Guariba, o Parque Estadual do Sucunduri, a Floresta Estadual do Sucunduri, a Floresta Estadual do Aripuanã, a Floresta Estadual do Apuí, a Floresta Estadual de Manicoré e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Aripuanã.



pROJETOS NO CORREDOR MIRANDA-SERRA DA BODOQUENA
Em 2004 a CI-Brasil manteve parcerias e financiou projetos para a implementação do corredor, desenvolvendo ações para a ampliação do conhecimento sobre sua biodiversidade e seu contexto socioeconômico, para a mobilização em favor da conservação, para a capacitação de educadores ambientais e para o fortalecimento das estruturas municipais de governança ligadas ao meio ambiente

O Projeto de Gestão Integrada da Bacia Hidrográfica do Rio Formoso (GEF-Rio Formoso), que durou de 2007 a 2010, foi composto por um grupo de trabalho que reuniu diversas instituições com o objetivo de desenvolver ações que aliavam a conservação da biodiversidade da bacia hidrográfica do rio Formoso e a sustentabilidade do uso do solo e da água na região. Com previsão de término para 2010, as atividades práticas do projeto tiveram início no final de 2007.   

Ainda neste corredor, em parceria com a Fundação Neotrópica do Brasil, a CI-Brasil e outras organizações que atuam na região desenvolveram uma Avaliação Ecológica Rápida do Parque Nacional da Serra da Bodoquena (MS) entre 2005 e 2006, que apoiou a formulação do plano de manejo do parque. Ao final do projeto foi feito um diagnóstico, o zoneamento e o planejamento da unidade. A publicação do plano de manejo aconteceu em 2008.

Outra linha de atuação no corredor foi o apoio da Associação dos Proprietários de Reservas Particulares do Mato Grosso do Sul, a Repams​. Em pouco mais de dois anos, o programa contribuiu para a criação e para a implementação de quase oito mil hectares de reservas privadas no corredor, assessorando os proprietários na montagem do processo de criação, na formulação de plano de manejo, no monitoramento da biodiversidade, na aquisição de equipamentos de prevenção e combate a incêndios, entre outras ações.



​PIAÇAVA SUSTENTÁVEL
CI-Brasil e o Instituto Bioatlântica, em parceria com a Citi Foundation, desenvolveram o projeto Piaçava Sustentável, que teve o objetivo de promover alternativas de renda a partir de atividades sustentáveis em comunidades do extremo sul da Bahia. O trabalho foi desenvolvido pela Associação de Mulheres Artesãs de Ponto Central e na reserva dos índios Pataxó da Jaqueira, no município de Santa Cruz Cabrália, entre outras comunidades da região. Para os Pataxó da reserva da Jaqueira foram ministradas oficinas de produção de vassouras com as fibras da piaçaveira, palmeira endêmica da região da qual a fibra é extraída de forma sustentável na própria reserva, visando  diversificar as atividades produtivas do grupo e ampliar a renda da comunidade.

A Associação de Mulheres Artesãs de Ponto Central, que produz uma série de produtos artesanais a partir da piaçava, foi contemplada com treinamentos em gerenciamento de negócios, abertura de mercados e apoio na participação de feiras de negócios artesanais e desenvolvimento de um website​ para divulgação dos seus produtos. O projeto busca ainda facilitar a articulação de uma rede de artesãos na região.
  • |
  • |
  • |