Rede para o Desenvolvimento Sustentável é lançada no RJ

CI integra iniciativa que visa reunir exemplos positivos e incentivar soluções de projetos urbanos com foco em sustentabilidade

Rio de Janeiro, 21 de março de 2014 —

Levantar exemplos positivos e apontar caminhos e soluções sustentáveis para problemas atuais enfrentados pelas cidades são os objetivos da Rede Brasileira de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (RSDS Brasil), lançada na última segunda-feira (17/03) no Museu de Arte do Rio (MAR), por organizações da sociedade civil, universidades, setor privado e governo. O evento contou com a participação de Jeffrey Sachs, diretor do Earth Institute da Columbia University e da Sustainable Development Solutions Network (RSDS Mundial).  

O diretor da RSDS Mundial alertou que o modelo econômico atual necessita de uma mudança muito profunda.  “O Brasil precisa definir uma estratégia para um sistema civilizatório diferente que envolva economia, meio ambiente e sociedade”, afirmou Sachs. “Algumas soluções locais podem servir de exemplos para outras regiões”.

Apesar da complexidade dos dilemas do Rio de Janeiro, as organizações envolvidas acreditam que a cidade possui inúmeras iniciativas bem-sucedidas de sustentabilidade que podem ser replicadas em outras regiões.

O Rio de Janeiro foi uma das primeiras cidades a fixar metas concretas e ousadas para redução das emissões de gases de efeito estufa – 20% até 2020 – sendo que 8% das emissões já foram reduzidas. A cidade possui um inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) disponível para consulta e monitora a vulnerabilidade da elevação do nível do mar devido às alterações climáticas.

Na área de conservação da biodiversidade, também há boas notícias. Desde 2012, a paisagem de Mata Atlântica voltada para o mar e a baía de Guanabara, que inclui o Parque Nacional da Tijuca, o Cristo Redentor e o Jardim Botânico, foi tombada como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco. A região metropolitana já conta com 16% de unidades de conservação.

Projetos de infraestrutura urbana e transformação social, com foco em sustentabilidade, destinados a bairros de baixa renda, também se mostraram eficazes. Iniciativas como estas provam que, ao unir esforços, a sociedade civil, o governo, a academia e o setor privado são capazes de modificar a realidade. 

Assim, o Rio de Janeiro, por ter se mostrado aberto a esses processos de transformações, foi escolhido para fazer parte da Iniciativa de Cidades Sustentáveis. Com seus dilemas e experiências, é a primeira cidade brasileira na qual a Rede irá atuar. Cidades como Acra (Gana), Bangalore (Índia), Nova York (EUA) e Durban (África do Sul) também fazem parte do projeto.

A Rede Brasileira pretende ainda aprofundar o debate sobre o tema, estreitar o diálogo com o setor governamental responsável pelas políticas públicas e desenvolver soluções em maior escala para consolidar uma cidade sustentável, inclusiva e resiliente.

Parte da Sustainable Development Solutions Network (RSDS Mundial), a RSDS Brasil é formada, até o momento, por organizações como o Instituto de Economia e a COPPE da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); o Programa de Graduação em Práticas de Desenvolvimento Sustentável (MDP Brasil) e o Centro Internacional de Estudos para o Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ); o Programa Multidisciplinar Ambiental da Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio); o Instituto Pereira Passos (IPP); a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS); a Fundação Roberto Marinho; o Centro Rio+; o Conselho Empresarial Brasileiro para Desenvolvimento Sustentável (CEBDS); o Pacto Global do Brasil; o Observatório de Favelas; a Conservação Internacional (CI); UN Habitat; a Academia Brasileira de Ciências (ABC) e a Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia.

Discussões Pós-2015

Lançada a pedido do secretário-geral da Organização das Nações Unidas Ban Ki-moon em agosto de 2012, a RSDS Mundial tem como objetivo mobilizar especialistas da sociedade civil e dos setores cientifico, acadêmico e privado na busca por  soluções sustentáveis para problemas de escala global, nacional e local. A proposta é acelerar processos de aprendizado em conjunto e promover métodos que aproximam as boas práticas existentes em diversos locais. A Rede permite que líderes de todas as regiões e com experiências distintas interajam e garantam as estruturas necessárias nas tomadas de decisões.  

A RSDS Mundial tem buscado contribuir com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), lançados pela ONU e seus Estados-membros durante a Rio+20. O novo conjunto de indicadores pretende mostrar as diretrizes para o desenvolvimento sustentável após 2015, quando expiram os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODMs), adotados globalmente desde o ano 2000 como meta de combate à pobreza extrema em todas suas formas.

Participaram da mesa Israel Klabin, presidente da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS); Sergio Bessermann,presidente da Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável da Prefeitura do Rio de Janeiro; Eduarda La Rocque, presidente do Instituto Pereira Passos (IPP); Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS); Fabio Scarano, vice-presidente da Conservação Internacional; Padre Josafá Carlos de Siqueira, Romildo Dias Toledo Filho, representando o reitor da PUC-RJ;, reitor da UFRJ, e Eduardo Mendes Callado,  vice-reitor da UFRRJ.

Acesse a fanpage: https://www.facebook.com/RSDSBrasil

####

Assessoria de Imprensa: Giselle Paulino - gipaulino@hotmail.com