Caratinga+30 celebra o resultado de proteção ao muriqui

O aumento da população de Muriquis, maior primata das Américas, comprova a eficiência da união de pesquisa científica e conservação

Belo Horizonte, 14 de junho de 2013 —

A cidade de Caratinga (MG), localizada na Bacia do Rio Doce, a quase 400 km da capital Belo Horizonte, realizará entre os dias 14 e 18 de Junho uma série de atividades para marcar os 30 anos de pesquisas e proteção do muriqui e seu habitat. O evento, denominado Caratinga+30, é promovido pela prefeitura municipal e servirá também para pensar o futuro do município, mundialmente famoso por abrigar a Estação Biológica de Caratinga, um centro de pesquisas localizado no interior da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Feliciano Miguel Abdala. 

Reconhecida como RPPN em 2002, a reserva se manteve intacta graças ao ideal de seu fundador, que nos anos 50 prometeu proteger a floresta da fazenda, enquanto a derrubada das matas vizinhas era festejada. No final da década de 1970, o proprietário encontrou um importante aliado para sua causa: cientistas interessados em realizar pesquisas de longa duração sobre os muriquis. Desde então, a área se tornou um laboratório natural para a proteção de várias espécies da biodiversidade brasileira. “A RPPN Feliciano Miguel Abdala está entre os cinco locais de maior prioridade do mundo para a conservação de primatas por combinar o longo histórico de pesquisa e a presença de algumas das mais importantes e ameaçadas espécies de primatas do mundo”, afirma o primatólogo e presidente da Conservação Internacional, Russell Mittermeier, que marcará presença no Caratinga+30. 

Os muriquis, os maiores primatas das Américas, são considerados uma espécie bandeira para a proteção da Mata Atlântica. Muriqui é uma palavra de origem indígena que significa “povo manso da floresta”. Ao longo da última década já figurou entre as espécies de macacos mais ameaçadas do planeta, mas suas chances de extinção vêm diminuindo devido aos bem-sucedidos esforços de conservação. As duas espécies –Brachyteles arachnoides (muriqui-do-sul) e Brachyteles hypoxanthus(muriqui-do-norte) – já ocupam o papel similar àqueles representados pelo panda-gigante, na China, o tigre na India, o orangotango, no sudeste asiático, e os gorilas, na África. A RPPN Feliciano Miguel Abdala é um dos últimos refúgios do muriqui-do-norte. Hoje, existem apenas cerca de 1.200 indivíduos na natureza, sendo que mais de um terço dessa população está em Caratinga. 

Para chamar a atenção para os muriquis e torná-los mais conhecidos pela população, foi lançada uma campanha para torná-lo mascote oficial dos Jogos Olímpicos 2016, que serão realizados no Rio de Janeiro. Para Beto Mesquita, diretor para a Mata Atlântica da Conservação Internacional, uma das organizações que apoia a campanha, “transformar o muriqui em mascote olímpico aumentará o conhecimento público sobre a espécie, aumentando assim sua proteção, bem como do seu hábitat, que é a Mata Atlântica.” 

Ao longo dos últimos 30 anos, várias publicações técnicas e artigos científicos foram desenvolvidos, a partir das informações geradas pelas pesquisas realizadas em Caratinga. “A Estação Biológica de Caratinga é a prova de que a estratégia de conservação que se baseia na presença de longo prazo da pesquisa científica no campo, é eficiente e gera resultados definitivos. Esperamos que Caratinga continue sendo alvo das investigações de muitos pesquisadores e cientistas que queiram contribuir com a preservação das florestas tropicais”, comenta a Dra. Karen Strier, da University of Wisconsin, em Madison, nos Estados Unidos, que coordena as pesquisas em Caratinga e estará presente no evento. 

A Mata Atlântica é um dos sistemas florestais mais ricos e diversos do mundo. É também um dos mais ameaçados, situando-se entre os cinco principais hotspots de biodiversidade do planeta. Esse bioma, que originalmente cobria 1,3 milhão de km2, hoje está reduzido a menos de 16% de sua extensão original. Em Minas Gerais, a situação é ainda mais grave, onde restam apenas 10% da área original do bioma cobertos por remanescentes de Mata Atlântica.  O estado de Minas tem registrado as maiores taxas de desmatamento nos últimos quatro anos. 

O evento de comemoração de 30 anos da Estação Biológica de Caratinga tem a colaboração de diversas universidades, instituições públicas e privadas, incluindo o Instituto Estadual de Florestas (IEF/MG), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Prefeitura de Caratinga, a Universidade de Wisconsin-Madison, a Universidade do Espírito Santo, a Sociedade Preserve Muriqui (SPM) e a Conservação Internacional, com apoio de empresas locais.

Contatos:

Imprensa:

Marcele Bastos – CI-Brasil (31) 8405-9848 / 9991-5089
m.bastos@conservacao.org

Fontes:

Beto Mesquita –  CI-Brasil (21) 9361-3312
c.mesquita@conservacao.org

Marcello Nery – SPM (33) 9147-2114
marcello.preserve@gmail.com

# # # 

Sobre a Conservação Internacional

A Conservação Internacional (CI) é uma organização privada, sem fins lucrativos, fundada em 1987 com o objetivo de promover o bem-estar humano fortalecendo a sociedade no cuidado responsável e sustentável para com a natureza – nossa biodiversidade global – amparada em uma base sólida de ciência, parcerias e experiências de campo. Como uma organização global, a CI atua em mais de 40 países, distribuídos por quatro continentes. Em 1988, iniciou seus primeiros projetos no Brasil e, em 1990, se estabeleceu como uma ONG nacional. Possui escritórios em Belo Horizonte-MG, Belém-PA, Brasília-DF e Rio de Janeiro-RJ, além de uma unidade avançada em iCaravelas-BA. Para mais informações sobre os programas da CI no Brasil, visite www.conservacao.org, o Twitter @CIBrasil e o Facebook http://www.facebook.com/ConservacaoInternacional.

Sobre a Sociedade para a Preservação do Muriqui - Preserve-Muriqui

A Sociedade para a Preservação do Muriqui, "Preserve-Muriqui" é uma entidade privada sem fins lucrativos, com sede no município de Caratinga, fundada por iniciativa da familia Abdala e com extenso apoio da comunidade local. Seu objetivo primário é o de dar prosseguimento ao trabalho do conservacionista Feliciano Miguel Abdala, na preservação da mata de cerca de 900 ha que pertencia à Fazenda Montes Claros, onde sobrevive a maior população conhecida de muriquis-do-norte (Brachyteles hypoxanthus). O muriqui-do-norte é considerado como espécie criticamente em perigo e um dos 25 primatas mais ameaçados do mundo.

Nossa missão é a de buscar continuamente uma solução de longo prazo para garantir a conservação do muriqui-do-norte e de seu ambiente natural, com ênfase na pesquisa de longa duração que fornece bases sólidas para consubstanciar o plano de manejo da RPPN e a extensão das atividades para o entorno da reserva. Nossa perspectiva é a de trabalho conjunto entre pesquisadores, produtores e moradores das propriedades vizinhas e das comunidades locais, no desenvolvimento de uma série de atividades que visam a geração de emprego e renda dentro de um contexto de conservação de recursos naturais e desenvolvimento rural sustentável. Para mais informações:http://www.preservemuriqui.org.br/home.htm