Evento na Bahia tem campanha para restauração de APPs

 

Brasília, 05 de março de 2012 —

Como forma de apresentar novas técnicas de recuperação de vegetação nativa aos produtores rurais, a Campanha Lem APP 100% Legal integrou as atividades do Dia de Campo Oilema, promovido no último sábado, dia 3, no Condomínio Irmãos Gatto. Foram distribuídas cerca de 450 mudas nativas do Cerrado, como ipê-rosa, aroeira e mutamba. Segundo a organização, cerca de mil pessoas passaram pelo evento, que tem o objetivo de atualizar os produtores e profissionais do setor agrícola em relação às novas tecnologias relacionadas às sementes e cultivares de soja para a próxima safra.

Uma realização da Prefeitura de Luis Eduardo Magalhães, Instituto Lina Galvani e Conservação Internacional, com a parceria da Monsanto, a Campanha tem o objetivo de oferecer apoio técnico e científico àqueles que possuem vegetação nativa degradada em nascentes e margens de rio, veredas e topos de serra, classificadas pela legislação brasileira como Áreas de Preservação Permanente (APPs). Também foi distribuído durante o evento um material de divulgação da Campanha, uma iniciativa pioneira em toda a Bahia.

Segundo Paulo Levinski, um dos organizadores do evento, a participação da Campanha LEM APP 100% Legal no dia de campo foi importante como forma de reforçar a importância da conservação e da manutenção da vegetação em APPs. “Hoje o produtor tem uma consciência bem maior, e consegue dialogar com a questão ambiental”, afirma.

Das 12 propriedades inicialmente inseridas na Campanha LEM APP 100% Legal, duas pertencem ao Condomínio Gatto, sendo que uma delas recebeu  pela primeira vez na Bahia o plantio mecanizado de sementes nativas que contempla a técnica da “muvuca”, que consiste na mistura das mais variadas sementes nativas como caraíba, pequi, timbó e ipê com sementes agrícolas como feijão catador, guandu, crotolária e milheto.

De acordo com Georgina Cardinot, gerente do Programa Cerrado Pantanal da Conservação Internacional, a participação em dias de campo é uma oportunidade para a campanha levar ao conhecimento dos produtores novas técnicas de recuperação de áreas degradadas com um menor custo e tempo, utilizando maquinário e uma dinâmica de campo semelhantes às utilizadas nas culturas agrícolas. “Queremos que os produtores que possuem necessidade de recuperar APPs conheçam experiências que dão certo em outras regiões e tentem adaptar essas novas técnicas à realidade da sua propriedade”, avalia,. “É preciso desmistificar entre os produtores que recuperação de vegetação nativa é difícil e cara”, conclui..

Campanha APP Lem 100% Legal

Com participação da Associação dos Irrigantes e Agricultores da Bahia (AIBA), Sindicato Rural dos Produtores Rurais de LEM e Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa), a Campanha selecionou nesta primeira etapa 12 propriedades de Luis Eduardo Magalhães, que terão apoio técnico e científico para restaurar suas áreas degradadas. Para reforçar a importância das APPs para a melhoria dos serviços ambientais, como qualidade de água e proteção dos solos, fauna e flora, a Campanha trabalha na mobilização de estudantes da rede pública de ensino com o Festival das Sementes, e na formação de uma rede de coletores para estimular a valorização das espécies nativas do Cerrado local.

Sobre a Conservação Internacional:

A Conservação Internacional (CI) é uma organização privada, sem fins lucrativos, fundada em 1987 com o objetivo de promover o bem-estar humano fortalecendo a sociedade no cuidado responsável e sustentável para com a natureza – nossa biodiversidade global – amparada em uma base sólida de ciência, parcerias e experiências de campo. Como uma organização não governamental (ONG) global, a CI atua em mais de 40 países, distribuídos por quatro continentes. Em 1988, iniciou seus primeiros projetos no Brasil e, em 1990, se estabeleceu como uma ONG nacional. Possui escritórios em Belo Horizonte-MG, Belém-PA, Brasília-DF e Rio de Janeiro-RJ, além de unidades avançadas em Campo Grande-MS e Caravelas-BA. Para mais informações sobre os programas da CI no Brasil, visite www.conservacao.org. ou nossa conta no twitter @CIBrasil e facebook http://www.facebook.com/#!/pages/Conserva%C3%A7%C3%A3o-Internacional-CI-Brasil/231538486861792

Sobre a Monsanto:

A Monsanto é uma empresa dedicada à agricultura. Pioneira no desenvolvimento de produtos com tecnologia de ponta na área agrícola – herbicidas, sementes convencionais e geneticamente modificadas –, a Monsanto busca soluções sustentáveis que proporcionem aos agricultores produzir mais, conservar mais e melhorar vidas. Para isso, investe anualmente mais de US$ 1 bilhão em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, e compartilha seu conhecimento com produtores para ampliar o seu acesso a modernas tecnologias agrícolas, especialmente em países pobres e em desenvolvimento.

A Monsanto está presente no Brasil desde 1963. Em 2010, destinou R$ 6 milhões à sustentabilidade com diversos projetos socioambientais em todo o País, realizados em 90 cidades, de 12 estados brasileiros. Mais de 200 mil pessoas foram beneficiadas. Além da distribuição gratuita de 60 mil livros, também foram realizadas 200 palestras sobre conscientização ambiental e plantadas 2,2 mil árvores, com a participação de 30 mil crianças de todas as regiões do país.

A Monsanto faturou R$ 2,048 bilhões no Brasil em 2010, produzindo e comercializando a linha de herbicidas Roundup, sementes de soja convencional (Monsoy) e geneticamente modificada (Roundup Ready®), sementes convencionais e geneticamente modificadas de milho (Agroeste, Sementes Agroceres e Dekalb), sementes de sorgo, algodão (Deltapine) e, ainda, sementes de hortaliças (Seminis e De Ruiter). Em novembro de 2008, passou a atuar no mercado de cana-de-açúcar, com a aquisição das empresas Canavialis e Alellyx, do Grupo Votorantim. Em fevereiro de 2009, a Monsanto adquiriu os 49% restantes da MDM, reforçando sua posição no mercado de algodão. Para mais informações sobre a Monsanto, visite: www.monsanto.com.br