Parentes mais pr�ximos da esp�cie humana correm risco crescente de extin��o

8/4/2008

Macacos e outros primatas est�o morrendo devido � ca�a e � perda de habitat

Edinburgo, Esc�cia � Os parentes mais pr�ximos do homem � macacos, gorilas e outros primatas � est�o desaparecendo da face da Terra. Alguns est�o, literalmente, sendo �comidos� at� a extin��o.

Segundo os crit�rios da Lista Vermelha de Esp�cies Amea�adas da Uni�o Mundial para a Natureza (IUCN, da sigla em ingl�s), quase metade dos 634 tipos de primatas do mundo todo correm risco de extin��o. Esta foi a primeira vez em cinco anos que a IUCN fez uma ampla revis�o da situa��o de amea�a dos primatas do mundo.

O relat�rio, lan�ado no 22� Congresso da Sociedade Internacional de Primatologia (IPS, da sigla em ingl�s) em Edinburgo, na Esc�cia, � de autoria das maiores autoridades mundiais no tema e apresenta um quadro nada animador sobre o estado dos primatas em todo o planeta. Na �sia, mais de 70% dos primatas s�o classificados como amea�ados nas categorias �Vulner�vel�, �Em Perigo� ou �Criticamente em Perigo�, de acordo com os crit�rios da Lista Vermelha da IUCN. Isso significa que esses animais podem desaparecer para sempre em um futuro pr�ximo.

As principais amea�as s�o a destrui��o do habitat - que vem sendo causada principalmente pela queima e o desmatamento de florestas tropicais - e a ca�a de primatas para alimenta��o e com�rcio ilegal de animais silvestres. A destrui��o das matas � respons�vel pela emiss�o de pelo menos 20% dos gases de efeito estufa que provocam a mudan�a clim�tica.

�Durante anos, procuramos alertar para o perigo sofrido pelos primatas, mas agora temos dados s�lidos para mostrar que a situa��o � bem pior do que imagin�vamos�, diz Russell A. Mittermeier, presidente da Conserva��o Internacional (CI) e tamb�m do Grupo de Especialistas em Primatas da Comiss�o de Sobreviv�ncia de Esp�cies da IUCN.

�A destrui��o de florestas tropicais sempre foi a principal raiz do problema, mas agora tudo indica que, em algumas regi�es, a amea�a imposta pela ca�a � t�o s�ria quanto. Mesmo em �reas onde o habitat mant�m-se bastante preservado. Em muitos locais, os primatas est�o literalmente sendo �comidos� at� a extin��o�, alerta Mittermeier.  

A revis�o da Lista Vermelha de Esp�cies Amea�adas foi financiada pela CI, pela Margot Marsh Biodiversity Foundation, pelo Animal Kingdom da Disney e pela IUCN. A iniciativa faz parte de uma avalia��o in�dita sobre o estado dos mam�feros de todo o mundo, que ser� divulgada durante o 4� Congresso Mundial de Conserva��o da IUCN, em outubro, em Barcelona, na Espanha.

A revis�o dos primatas, que contou com a colabora��o de centenas de especialistas do mundo inteiro, mostra com dados cient�ficos as graves amea�as que esses animais, cujo DNA � praticamente igual ao dos humanos, est�o sofrendo. No Vietn� e no Camboja, cerca de 90% das esp�cies de primatas corre risco de extin��o. Grupos de gib�es, macacos-folha, langures e outras esp�cies est�o diminuindo por conta da perda de habitat exacerbada pela ca�a humana, para comida e para alimentar o com�rcio de animais silvestres usados comumente na medicina chinesa ou como bichos de estima��o.

�O que est� acontecendo no sudeste asi�tico � aterrorizante�, afirma Jean-Christophe Vi�, vice-diretor do Programa de Esp�cies da IUCN. �Ter um grupo de animais sob t�o alto n�vel de amea�a �, sinceramente, algo que nunca registramos em nenhum outro grupo de esp�cies at� hoje�.

Em outros continentes, uma variedade de esp�cies enfrenta desafios para sobreviver, desde os min�sculos l�mures-ratos at� os gigantescos gorilas das montanhas. Na �frica, 11 dos 13 tipos de macacos colobos examinados foram listados como �Em Perigo� ou �Criticamente em Perigo�. Na verdade, dois tipos j� podem estar extintos: o colobo vermelho de Bouvier (Procolobus pennantii bouvieri ) n�o � visto h� 25 anos e desde 1978 nenhum colobo de Waldron (Procolobus badius waldroni) foi avistado vivo por primat�logos, apesar de relatos de que alguns ainda sobrevivem.

�Entre as esp�cies africanas, os grandes macacos, como gorilas e bonobos, costumam sempre roubar a aten��o. Ainda que eles estejam criticamente amea�ados, s�o os pequenos primatas, como o colobo vermelho, que podem morrer primeiro�, aponta o presidente do IPS, Richard Wrangham.

Nossos parentes mais pr�ximos, os primatas n�o-humanos s�o importantes para a sa�de dos ecossistemas que os cercam. Os primatas ajudam a manter uma ampla variedade de vida animal e vegetal nas florestas tropicais atrav�s da dispers�o de sementes e outras intera��es com os seus ambientes. Florestas saud�veis s�o fonte de recursos vitais para comunidades locais e tamb�m contribuem para a redu��o da concentra��o do di�xido de carbono na atmosfera, um dos gases do efeito estufa que provoca o aquecimento global.

Os cientistas continuam aprendendo mais sobre os primatas e seu papel no mundo. Desde 2000, 53 esp�cies de primatas at� ent�o desconhecidas pela ci�ncia foram descritas, sendo 40 de Madagascar, duas da �frica, tr�s da �sia e oito das Am�ricas Central e do Sul. Em 2007, pesquisadores encontraram uma popula��o do grande-l�mure-de-bambu (Prolemur simus) em um p�ntano a 400 quil�metros do �nico habitat conhecido desses animais. Esta esp�cie � considerada como �Criticamente em Perigo� e h� muito j� havia rumores de registros nesse novo local, mas somente no ano passado isso foi confirmado. No total, h� cerca de 140 indiv�duos desse tipo de l�mure em �reas naturais.

A Lista Vermelha da IUCN estabelece uma s�rie de crit�rios para que uma esp�cie seja considerada amea�ada. Nos casos de informa��o insuficiente, as esp�cies podem ser listadas como �Deficientes em Dados�, categoria aplicada a 15% dos primatas na nova revis�o. Muitas dessas esp�cies, especialmente aquelas descobertas recentemente, devem possivelmente vir a ser classificadas como amea�adas.

Apesar desse quadro pessimista, os conservacionistas salientam o sucesso que v�m obtendo na recupera��o de esp�cies amea�adas. No Brasil, a posi��o do mico-le�o preto (Leontopithecus chrysopygus) na Lista Vermelha melhorou, passando de �Criticamente em Perigo� para �Em Perigo�. O mesmo j� havia ocorrido em 2003 com o mico-le�o dourado (Leontopithecus rosalia). Esses resultados positivos ocorreram gra�as a d�cadas de esfor�os de conserva��o encabe�ados por in�meras institui��es. Atualmente, h� popula��es destes dois tipos de macacos bem protegidas, mas ainda bastante pequenas, o que refor�a a necessidade urgente de novas �reas reflorestadas para dar-lhes um novo habitat e garantir sua sobreviv�ncia no longo prazo.

�Se voc� tem florestas, voc� pode salvar os primatas�, explica o cientista da CI Anthony Rylands, vice-presidente do Grupo de Especialistas em Primatas da IUCN. �O trabalho com os mico-le�es mostra que a conserva��o de peda�os de florestas e o reflorestamento para criar corredores de conex�o entre eles � n�o somente vital para os primatas, mas tamb�m traz muitas vantagens para a preserva��o de ecossistemas saud�veis e o abastecimento de �gua. Ao mesmo tempo em que reduzimos as emiss�es de gases de efeito estufa que est�o provocando a mudan�a clim�tica�.

Os pesquisadores tamb�m consideraram reclassificar o gorila das montanhas (Gorilla beringei beringei) de �Criticamente em Perigo� para �Em Perigo�, devido ao aumento da popula��o em seu �nico habitat: as florestas protegidas nas montanhas de Ruanda, Uganda e do Congo. No entanto, a matan�a de oito gorilas das montanhas em 2007 e a continua��o da turbul�ncia pol�tica na regi�o atrasaram os planos de reclassifica��o.

Embargado at� as 21 horas (hor�rio de Bras�lia), de 4 de agosto de 2008

### 

A nova lista global de mam�feros, incluindo a avalia��o de todas as esp�cies e sub-esp�cies de primatas que ir�o constar da edi��o 2008 da Lista Vermelha da IUCN, estar� dispon�vel no site da IUCN - www.iucnredlist.org - em outubro. Na pr�xima semana, a nova lista de primatas j� deve estar dispon�vel no site da Comiss�o de Sobreviv�ncia das Esp�cies/Grupo de Especialistas em Primatas da IUCN (www.primate-sg.org).

Imagens (fotografia + B-roll de v�deo) dispon�veis na

Conserva��o Internacional mediante solicita��o

 

Contatos para a imprensa

Conserva��o Internacional - EUA

Tom Cohen
+1-202-257-9954
tcohen@conservation.org

Lisa Bowen
+1-703-341-2601
lbowen@conservation.org

Conserva��o Internacional � Brasil

Isabela Santos
+ (31) 3261-3889
+ (31) 9296-8555
i.santos@conservacao.org

IUCN

Sarah Halls
Assessoria de Imprensa da
+ 41 22 999 0127
Celular: + 41 79 24 72 926
Fax: + 41 22 999 0020
sarah.halls@iucn.org

 

A Conserva��o Internacional (CI) aplica inova��es da ci�ncia, economia, pol�tica e participa��o comunit�ria � prote��o das regi�es de diversidade vegetal e animal mais ricas da terra e dos hotpots da biodiversidade, grandes regi�es naturais de alta biodiversidade e ecossistemas marinhos cr�ticos. Sediada na �rea metropolitana de Washington, DC, a CI atua em mais de 40 pa�ses de quatro continentes. Veja mais informa��es sobre a CI nos sites www.conservation.org e www.conservacao.org

A Sociedade Internacional de Primatologia (IPS) foi criada para estimular todas as �reas da pesquisa cient�fica primatol�gica n�o-humana, para facilitar a coopera��o entre cientistas de todas as nacionalidades dedicados � pesquisa de primatas, e para promover a conserva��o de todas as esp�cies de primatas. A Sociedade foi organizada para atender a finalidades exclusivamente cient�ficas, educativas e caritativas. Veja mais informa��es sobre a IPS no site http://www.internationalprimatologicalsociety.org.

A Uni�o Mundial para a Natureza (IUCN) ajuda o mundo a encontrar solu��es pragm�ticas para os nossos desafios mais urgentes nas �reas de desenvolvimento e meio ambiente, atrav�s do apoio � pesquisa cient�fica; do gerenciamento de projetos em todo o mundo; e da aproxima��o de governos, ONGs, ONU, congressos internacionais e empresas para desenvolver pol�ticas, legisla��o e melhores pr�ticas.

Maior e mais antiga rede ambiental do mundo, a IUCN � uma associa��o de mais de 1.000 governos e ONGs e quase 11 mil especialistas e cientistas volunt�rios em 160 pa�ses. O trabalho da IUCN � apoiado por mais de 1.000 profissionais em 60 escrit�rios e centenas de parceiros nos setores p�blico e privado, al�m de ONGs no mundo todo. A sede da IUCN est� localizada em Gland, perto de Genebra, na Su��a. www.iucn.org.

O Programa de Esp�cies da IUCN ap�ia as atividades da Comiss�o de Sobreviv�ncia de Esp�cies da IUCN e de grupos individuais de especialistas, assim como implementa iniciativas globais para a conserva��o de esp�cies. O Programa � parte integrante da Secretaria da IUCN e � administrado pela sede em Gland. O Programa de Esp�cies inclui uma s�rie de unidades t�cnicas que acompanham o Uso e o Com�rcio de Esp�cies, a Lista Vermelha, a Avalia��o de Biodiversidade em �gua Doce (todos localizados em Cambridge, no Reino Unido), e a Iniciativa Global de Avalia��o da Biodiversidade (localizada em Washington, DC, nos Estados Unidos). www.iucn.org/species

Request an Interview

,

,

Related Content

Other Media