​​​​​​​​​​



​​​​Três milhões de reais para índios Kayapó

Fundo Kayapó vai liberar verba para beneficiar associações indígenas


         Boa notícia para os índios Kayapó. O fundo que leva o mesmo nome desembolsará, no período 2017-2018, R$3 milhões para os Institutos Kabu e Raoni e para a Associação Floresta Protegida. Eles foram selecionados na 3ª chamada de projetos, em abril do ano passado.

         "A parceria da CI-Brasil com o Fu​ndo Amazônia/BNDES criou algo pioneiro com o Fundo Kayapó. Ele é o primeiro mecanismo financeiro de longo prazo a beneficiar um povo indígena no país. E contribui para garantir a sustentabilidade financeira das associações indígenas, explica Rodrigo Medeiros, Vice-Presidente da Conservação Internacional Brasil.

         Criado em 2011, com aporte inicial de R$14, 4 milhões para suporte ao planejamento e gestão ambiental das terras indígenas, o fundo assegura o bem-estar das comunidades que somam cerca de 9 mil pessoas da etnia. Hoje a administração deste mecanismo fica a cargo do Funbio.  

         "Apoiar povos indígenas é um tema central na agenda do Fundo Amazônia/BNDES, e nesse momento a nossa equipe está muito otimista com os esforços da CI-Brasil e do Funbio na captação de novos recursos para o Fundo Kayapó", afirma Claudia Nessi Zonenschain, gerente do Fundo Amazônia.
         O valor do fundo sofre variações devido ao investimento dos recursos por um ciclo de um ou dois anos para em momentos específicos serem feitos os desembolsos. Até agora foram autorizados R$5,2 milhões de recursos para instituições indígenas.  Renata Pinheiro, gerente de governança da CI-Brasil explica como foram empregadas as primeiras verbas.

         - O primeiro ciclo de financiamento destinou R$440 mil, uma metade para Associação Floresta Protegida e a outra para o Instituto Raoni. Já o segundo ciclo de financiamento beneficiou além das duas organizações citadas, o Instituto Kabu num total de R$1,8 milhão de recursos disponíveis. E o terceiro ciclo mantêm as três instituições beneficiadas, agora com uma verba de R$3 milhões para ser executada por dois anos, afirma ela.

         A finalidade do fundo é apoiar, mediante doações, projetos de organizações indígenas que atuem em território Kayapó, Menkragnoti, Bau, Capoto/Jarina, Badjonkôre e Las Casas, situadas no sul do Pará e norte do Mato Grosso, que tenham como foco a proteção da biodiversidade e o monitoramento territorial, a geração de renda através de cadeias produtivas sustentáveis e o fortalecimento institucional das associações indígenas.​