Entrevista sobre a RPPN Fazenda Bulcão

 

Belo Horizonte, 29 de agosto de 2013 —

O P

O Programa de Incentivo às  Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) da Mata Atlântica, parceria entre Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica, está comemorando 10 anos em 2013! Nesse período o programa apoiou a criação de 361 novas reservas particulares – sendo 194 já reconhecidas – e a gestão de outras 101 reservas já existentes, num total de 56 mil hectares protegidos. As RPPNs são unidades de conservação criadas pela vontade do proprietário rural, que decide transformar sua terra em uma reserva e assume compromisso com a conservação da natureza.

Como parte das celebrações do aniversário do Programa, a Conservação Internacional está publicando até o fim do ano, entrevistas com proprietários de RPPNs que foram apoiados pela iniciativa. Esse é décimo segundo post da série. Conheça a RPPN Fazenda Bulcão, situada em Aimorés (MG), na entrevista com Adonai Lacruz, superintendente executivo do Instituto Terra, que mantém a reserva. A Fazenda Bulcão foi a primeira reserva criada em área degradada. O proprietário assumiu a meta de plantar um milhão de mudas na área e conseguiu alcançá-la em 2006.  Boa leitura!

RPPN Fazenda Bulcão
Área 608 hectares
Município Aimorés (MG)

Entrevistado: Adonai Lacruz, superintendente executivo do Instituto Terra

1)      Para você, qual a importância das Reservas Particulares do Patrimônio Natural, as chamadas RPPNs?

As RPPNs são um importante instrumento para aumentar os níveis de conservação no Brasil, uma vez que, boa parte dos remanescentes de vegetação localiza-se justamente em terras privadas. As RPPNs podem ajudar na formação de corredores ecológicos, contribuindo para o aumento das áreas protegidas em pontos estratégicos, principalmente em ecossistemas ameaçados, como é o caso da Mata Atlântica, que é o foco das ações do Instituto Terra no vale do rio Doce, Minas Gerais.

2)      Você acha que as pessoas, sobretudo os proprietários de terra, em geral, sabem o que é uma RPPN e que qualquer cidadão pode criar uma?

Creio que não. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, de forma geral, é pouco conhecido do cidadão. O SNUC padroniza as categorias, seus objetivos de criação e as estratégias de gestão de cada tipo de unidade de conservação no país.

3)       Como e quando surgiu o seu interesse em criar uma RPPN?

Tomada a decisão de criação do Instituto Terra, os fundadores da instituição – Lélia Deluiz Wanick Salgado e Sebastião Salgado – se mobilizaram para que a propriedade fosse reconhecida como RPPN. Foi o tipo de UC mais apropriado para a missão que se pretendia para o Instituto Terra em relação à Fazenda Bulcão: reflorestar e florestar de forma irreversível.

4)       Você teve dificuldade para a criação de sua RPPN? Se sim, quais?

O fato de a Fazenda Bulcão estar quase que totalmente degradada quando da criação da RPPN. O título guarda seu ineditismo por ser a primeira RPPN criada em uma área degradada, com o compromisso de vir a ser recuperada.

5)       Como você conheceu o Programa de RPPNs da Mata Atlântica? Qual foi o seu interesse em participar do edital?

Através de consulta a editais. O interesse veio para elaboração do plano de manejo da RPPN.

6)      Quantas edições você já participou? Quantas você ganhou?

Uma única vez e fomos beneficiários.

7)       Qual foi o apoio do programa à sua reserva?

Na elaboração do plano de manejo da RPPN.

8)      Como os recursos do edital ajudaram sua propriedade e a Mata Atlântica?

Com o plano de manejo da RPPN conseguimos formalizar nosso planejamento, o que trouxe maior qualidade aos nossos processos.

9)       Você presente participar de novas edições?

Dependerá das linhas de apoio do edital.

Sobre Reservas Particulares

Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) é uma categoria de unidade de conservação criada pela vontade do proprietário rural, que decide transformar sua terra em uma reserva e assume compromisso com a conservação da natureza.

As RPPNs são importantes para proteger as riquezas naturais e ambientes históricos, além de ajudar na preservação da água, na regulação do clima, na limpeza do ar, no desenvolvimento de pesquisas científicas dentre outros serviços ambientais. Atividades recreativas, turísticas, de educação e pesquisa são permitidas na reserva, desde que sejam autorizadas pelo órgão ambiental responsável pelo seu reconhecimento.

Dessa forma, muitas RPPNs geram renda e conhecimento em sua região, com atividades como ecoturismo, educação ambiental e artesanato.

O Programa de Incentivo às RPPNs da Mata Atlântica apoia através de editais os proprietários interessados em criar suas reservas particulares. O programa é uma parceria entre as ONGs CI-Brasil e Fundação SOS Mata Atlântica.  O programa completa 10 anos em 2013, tendo apoiado nesse período a criação de 361 novas RPPNs – sendo 194 já reconhecidas – e a gestão de outras 101 reservas já existentes. Saiba mais: