Campanha lança galeria com imagens únicas de Abrolhos

 

Rio de Janeiro, 03 de fevereiro de 2014 —

Em março de 2012, pesquisadores partiram em uma expedição marinha de dezenove dias para documentar habitats pouco conhecidos da Região de Abrolhos. Com mergulhos que chegaram aos 100 metros de profundidade e o uso de câmeras de vídeo de alta sensibilidade, os integrantes da expedição se observaram ambientes únicos da região, como formações de algas calcárias e habitats conhecidos como buracas.

Intitulada Expedição Abrolhos: Novas Fronteiras, a viagem reuniu integrantes da Conservação Internacional (CI-Brasil) e das universidades e institutos de pesquisa que integram a Rede Abrolhos, com o apoio do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos/ICMBio (Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade).

O fotógrafo Enrico Marone também acompanhou a expedição e cedeu gentilmente suas imagens em apoio à campanha Adote Abrolhos. Formado em oceanografia, Marone atua como fotógrafo desde 1994, tendo como temas principais do seu trabalho o meio ambiente, as culturas tradicionais e questões relacionadas à conservação ambiental.

Na galeria Enrico Marone – Expedição Abrolhos: Novas Fronteiras, disponível em Adote Abrolhos, você poderá ver imagens únicas do que só pode ser encontrado na Região dos Abrolhos, como:

Algas calcárias - Estas algas formam estruturas rígidas, que crescem em camadas formando nódulos do tamanho aproximado de uma bola de tênis, conhecidos como rodolitos. “É uma capa calcária viva e cheia de vida”, explica o pesquisador Gilberto M. Amado Filho, do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, integrante da expedição. As algas calcárias representam um grande depósito de carbono e são de grande importância para o ciclo de vida dos peixes na região.

Buracas – As buracas são grandes depressões na plataforma do Banco dos Abrolhos, que são ambientes únicos, com grande concentração de matéria orgânica e peixes.

Visite a galeria. Curta as imagens. Compartilhe com seus amigos.

Adote Abrolhos: É do Brasil. É do mundo. É nosso.