​​​​

Intro Photo Large

Remove this module

Section Info

EditPhoto Title:As florestas alimentando o ar
EditPhoto Description:
EditImage Url:/global/brasil/PublishingImages/ci_58499220_Large.jpg
EditImage Description:
EditPhoto Credit:© Bayley Evans
EditPhoto RenditionID Small:5[Optional]
EditPhoto RenditionID Webkit:6[Optional]
EditPhoto RenditionID Medium:7[Optional]
EditPhoto RenditionID Portrait:8[Optional]
EditPhoto RenditionID Large:9[Optional]
As Unidades de Conservação (UCs) são estratégicas em todo mundo para conservação do capital natural. No Brasil, em especial na Amazônia, muitas UCs foram criadas principalmente na década de 90 e 2000. Um dos destaques em extensão de áreas protegidas é o estado do Amapá, que possui mais de 10 milhões de hectares em forma de UCs e Terras Indígenas, representando mais de 70% do seu território. Atualmente, o desafio consiste em implementar essas áreas de modo que cumpram o verdadeiro papel para a qual foram concebidas – geração de benefícios ambientais, sociais e econômicos.

Nesse contexto, o projeto “As florestas alimentando o ar”, no Brasil, tem como objetivo contribuir com a implementação de políticas públicas para o desenvolvimento sustentável do estado do Amapá. O projeto contribui diretamente com o processo de implementação de duas Unidades de Conservação, a saber: Floresta Estadual do Amapá (FLOTA Amapá) e Floresta Nacional do Amapá (FLONA Amapá), que juntas somam quase 3 milhões de hectares em extensão.

O projeto tem vigência até 2017 e está arquitetado em dois principais componentes:
  • Criação de uma rede de comunicação para apoiar a gestão das áreas protegidas;
  • Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas sustentáveis, como manejo florestal e agroecologia, em comunidades do interior e entorno direto da FLONA e FLOTA do Amapá.

Parcerias: Instituto Estadual de Florestas do Amapá (IEF), Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá (SEMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Associação dos Agroextrativistas do PA Serra do Navio (Associação Renascer), Associação dos Agroextrativistas Ribeirinhos do Rio Araguari (Associação Bom Sucesso), e Indústria Japonesa Daikin.